terça-feira, 1 de janeiro de 2008

Rua da Lama I - Cochicho da Penha

Antes de a Lama ser a Lama, ainda no início dos anos oitenta, ela se chamava Rua Anísio Fernandes Coelho, situada em Jardim da Penha. A proximidade com a UFES (basta atravessar a rua) a tornou bem mais democrática e universal do que a universidade. Ali ainda é possível encontrar o ar underground, que desde sempre foi sua marca registrada. O point mais antigo (que ainda resiste) é o Cochicho da Penha, que desde aquela época é o referencial para a juventude transviada de Vitória. Em breve busca na internet, descobri que existe até uma comunidade orkut intitulada Eu odeio o Cochicho, na qual eu não me incluo. Aconteceram, por certo, algumas transformações: mudou de lado da rua, e a coxinha com catupiry tem, no máximo, queijo minas - mas ninguém reclama. Alguém já chamou a dita cuja de histérica: quente por fora e fria por dentro. Mas isso são detalhes menores que não impedem que ela continue sendo o carro-chefe do boteco. Em minhas mais recentes visitas, um tipo de em busca do tempo perdido, eu encarei o mocotó na cuia (mocotó mesmo, com pedaços - o caldo é servido em copo), que fez a alegria do colesterol que me habita; d'outra vez encarei a moquequinha de siri, que estava uma desgraça - parecia que tinham moído o siri com casca e tudo (lembrei-me, depois, que o meu pedido costumeiro era moquequinha de cação, que ficará para a próxima). Os preços são módicos (com 20 reais você come e bebe numa boa) e a cerveja costuma ser gelada, preocupação primeira de Geraldo, o proprietário, que costuma dizer aos antigos clientes: veio da Lama e à Lama voltarás.


PS - O Cochicho, retomando a tradição, está com música ao vivo às terças-feiras. Não uma musiquinha qualquer, mas sim o bom jazz.

4 comentários:

Curt disse...

Meu caro Chef Buonaboca, parabéns pelo blog e um grande 2008. Agora, vamos trabalhar? Me diga o seguinte: faz muitos anos que (infelizmente!) não vou à Vitória, mas ainda existe o restaurante do Ferrinho, para mim a melhor muqueca capixaba, eplo menos na época? Otra coisinha: Conheci enm Vila Velha um 'pé-sujo' que servia um caldinho de fejão com bacon, que servia para 'abrir' os trabalhos de quem saia pela madrugada adentro. Um forte abraço e sucesso!!! Fui!!!... mas volto, pois já coloquei o blog em Favoritos!

Curt disse...

Por favor, DELETE o comentário anterior, cheio de erros, ok? Este vale|!Meu caro Chef Buonaboca, parabéns pelo blog e um grande 2008. Agora, vamos trabalhar? Me diga o seguinte: faz muitos anos que (infelizmente!) não vou à Vitória, mas ainda existe o restaurante do Ferrinho, para mim a melhor muqueca capixaba, pelo menos na época? Outra coisinha: Conheci em Vila Velha um 'pé-sujo' que servia um caldinho de fejão com bacon, muito prestigiado e que era obrigatório para 'abrir' os trabalhos de quem saia pela madrugada adentro. Um forte abraço e sucesso!!! Fui!!!... mas volto, pois já coloquei o blog em Favoritos! Curt, de Jaraguá do Sul, na bela e Santa Catarina.

Chef Buonaboca disse...

Ferrinho é realmente uma referência quando o assunto é moqueca capixaba, mas acho que "enferrujou". Se não fechou, mudou de endereço. Estão construindo um prédio no local. Descobrirei e deixarei as novas.
Temos um assessoria para o outro lado da ponte (assolapo) que passará, paulatinamente, os informes sobre as plagas vilavelhenses.
Abraços.

Vinyl disse...

Já matei muitas baratas no Cochicho. Eu gostava de comer omelete. Me parecia o mais saudável. Dizem que o segredo do sabor está na panela muito usada e pouco lavada.
PS - a cachaça, antigamente, era muito ruim.